segunda-feira, 19 de maio de 2008

Parabéns aos defensores dos pobres



Hoje é dia dos Defensores Públicos, dia de Santo Ivo.

Iniciei minha carreira jurídica dentro da Defensoria Pública. Orgulho-me disso, grande escola da advocacia acreana.

Minha ligação com a Defensoria Pública é tão umbilical que toda semana pessoas me procuram pensando ser eu um defensor público.

Embora não seja, defendo muitas pessoas gratuitamente, por um dever de consciência.

Mantenho cordial relação com todos os Defensores Públicos do Acre, anjos da guarda dos pobres que anseiam por justiça.

A oração da novena de Santo Ivo é das mais belas da crença religiosa e constitui apelo espiritual a todos os homens da lei. Ofereço aos Defensores Públicos.

"Glorioso Santo Ivo, lírio de pureza, apóstolo da caridade e defensor intrépido da Justiça. Vós que, vendo nas leis humanas um reflexo da Lei eterna, soubestes conjugar maravilhosamente os postulados da Justiça e o imperativo do amor cristão, assisti, iluminai, fortalecei a classe dos juristas, os nossos juízes e advogados, os cultores e intérpretes do direito, para que, nos seus sentimentos e decisões, jamais se afastem da equidade e da retidão.

Amem eles a Justiça para que consolidem a paz; exerçam a caridade para que reine a concórdia; defendam e amparem os fracos e os desprotegidos, para que, pospostos todo o interesse subalterno e toda a afeição de pessoas, façam triunfar a sabedoria da lei sobre as forças da injustiça e do mal.

Olhai também para nós, glorioso Santo Ivo, que desejamos copiar os vossos exemplos e imitar as vossas virtudes. Exercei junto ao trono de Deus vossa missão de advogado e protetor nosso, a fim de que nossas preces sejam favoravelmente despachadas e sintamos os efeitos do vosso poderoso patrocínio. Amém".

Parabéns, irmãos defensores públicos, vocês merecem melhores salários, melhores condições de trabalho. Sem vocês não há Justiça.

Um comentário:

Sônia disse...

Como já havia dito a balança da justiça nesse Estado está desequilibrada. Mas ainda confio no bom senso dos homens e na capacidade de embate dessa classe tão necessária e especial que é a defensoria pública que tem como principio defender os necessitados.