quinta-feira, 29 de maio de 2008

Uma fotografia transcendental


Em recente visita que fiz ao túmulo de Amin kontar, um fenômeno interessante se deu.

Enquanto limpava a área da tumba, juntamente com Palazzo, meu irmão fotografou a grande quantidade de cera de velas na borda da sepultura, aparecendo a imagem que se vê, a direita.

A face de um homem surgiu. Veja bem na fotografia. Boca aberta e desdentada, olhos roxos e aspecto de morto. A violência que sofreu aparece nítida em seu rosto.

A imagem surgiu na parte de cima da mureta, parte branca onde as velas são comumente acesas.

O homem aparenta ter em torno de 50 anos, idade em que Amin Kontar foi morto, após ser cruelmente torturado.

Antes, pensávamos que Amin tinha morrido ainda jovem, mas a certidão de óbito que descobrimos em Tarauacá foi certa em afirmar que ele morreu aos 50 anos. Com 19 foi a idade em que chegou na região onde hoje fica a cidade de Tarauacá.

Cabe aos estudiosos analisar este fenômeno. Há muitos preconceitos, mistérios e revelações sobre esses tipos de caso. Eu particularmente tenho a mente aberta, pois como dizia Shaskepeare em famosa frase: "há mais coisas entre o céu e a terra do que a nossa vã filosofia possa imaginar".

Um comentário:

Sônia disse...

A imagem é relamente impressionante ela sorrir para voce por está resgatando a sua história.
É uma forma de dizer "obrigado por ter a coragem que os homens da lei à época não tiveram".