quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O pedido de um promotor

Meu dileto amigo Pallazo, lá de Tarauacá, enviou-me o causo abaixo. Gosto da criatividade, pois quando somos criativos nos unimos ao criador, superando nossa condição de criatura.

Conta-se que o jovem promotor de Justiça de São Borja, RS, Paulo Olímpio Gomes de Souza recebeu inquérito policial sobre sedução ocorrido na Comarca.

Ora, o indiciado que tinha “feito mal” à moça, para evitar a cadeia, casou com a vítima. Paulo Olímpio, então, dirigiu-se ao juiz Péricles Mariano da Rosa pedindo o arquivamento do caso, em quatro espirituosas quadrinhas:

Em casando o indiciado
com a dita ofendida,
ficou a ação do estado
prejudicada e tolhida.

Não há mais o que punir,
diz o penal mandamento.
Quando o ato de se unir
se consagra o casamento.

Arquive-se, pois, o processo,
deixe-se isento o rapaz.
Que tenha muito sucesso
e na vida encontre paz.

Ele até merece o céu
por gesto tão desvalido.
Trocou sua desdita de réu
por uma maior... de marido!

3 comentários:

victor mateus disse...

Muito bons esses versinhos. Os dois últimos então são hilários. O problema é que retratam uma condição real na vida dos homens.

carlosgomes disse...

o sucesso da vida,está ligado a pessoa humana,ou seja,a honestidade,a simplicidade,a sabedoria,requisitos este que um senhor,chama-do jesus cristo possuia!não era arrogante,era um pessoa simples que não tinha o dinheiro em primeiro plano,que resolvia conflitos através do poder de convencimento!

Emilio Pacheco disse...

Eu fui aluno do Paulo Olímpio e lembro quando ele declamou esses versos em aula. Por sorte, encontrei-os na Internet. Não lembro que ele tenha dito ser ele o autor, mas não fico surpreso.