quinta-feira, 3 de setembro de 2009

A jurisprudência da força

Do poeta e promotor público Juvenal Antunes, amante das noites acreanas, do início do século:

"Dos tratados, e das leis, e das ordenações, zomba a jurisprudência dos canhões".

Dos mandões.

Dos charlatões.

Zomba a jurisprudência da violência, do arbítrio.

Dos maus juízes.

Mas do filósofo Sêneca, ecoa na voz dos tempos, a inexorável sentença:

"O vexame da injustiça recairá na cabeça de quem praticou".

Um comentário:

manoela costa disse...

Salve, salve, Juvenal Antunes...