segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

A mais bem paga inteligência da sociedade

Por esses dias li um livro intitulado O Poder do Charme, de Brian Tracy e Ron Arden. Não é um livro que ensina a galantear ninguém, embora possa também ser aplicado na arte da sedução amorosa.

Os autores abordam o charme das pessoas que sabem se relacionar com os outros, que sabem se expressar com desenvoltura, que possuem a autêntica sociabilidade.

Uma frase do livro me despertou para um reflexão mais profunda:

"A inteligência social é a mais respeitada e bem paga inteligência da sociedade".

Para ser um bom comunicador, um bom líder, um bom amigo, a inteligência social é fator indispensável.

Pessoas de bom trato e de bom tato, de boa convivência, que sabem ouvir, que sabem valorizar os outros, gentis, flexíveis, são sempre pessoas mais bem-sucedidas do que aquelas que só sabem usar o "eu", que só pensam no seu próprio umbigo, que não estão nem aí para seu interlocutor.

O indiscreto, o fofoqueiro, o intrometido, o sabe-tudo, o centro-das-atenções, o exibido, o falastrão, o ignorante, o afetado, o não-me-toque, o que critica tudo, o tapado, o fanático, são exatamente o oposto do homem socialmente inteligente, hábil, diplomático, charmoso.

O advogado, o jornalista, o professor, o político, o médico, o empresário, e todos os profissionais que desenvolvem melhor a comunicação interpessoal, de forma sadia, são sempre pessoas mais cheias do poder do charme, carismáticas, encantadoras, magnéticas, e por serem assim, a sociedade sente a necessidade da presença deles, prestigiando-os com melhores salários e merecidos reconhecimentos.

4 comentários:

André Neri disse...

Realmente, o "boa praça" sempre tende a se dar bem, desde a época do colégio. Bom retornar a leitura desse espaço. Um abraço!

Sanderson Silva de Moura disse...

Olá André:

Seja bem vindo.

Aguardo seus futuros comentários.

Abraços

jose maria lima da silva disse...

Muito bem, parabéns.

Daniel Faria disse...

Prezado Sanderson,

concordo com você sobre a relação entre o charme de cada um e seu sucesso profissional.
Contudo, nós acrianos, normalmente, confundimos sucesso profissional alheio com "maracutaia", ou seja, se você é um profissional, que está ganhando um bom dinheiro, certamente está fazendo "rolo". Terrível isso. Sentimento esse que acaba limitando o talento de muitas pessoas, tendo em vista que as mesmas não poderão ususfruir abertamente daquilo que adquiriram em razão de seu talento. Acredito que esse sentimento não seja só do acriano, mas sim de todo brasileiro. Apenas uma questão cultural. Forte abraço e parabéns.