quarta-feira, 11 de novembro de 2009

A suspeita já crucificou os braços de muitos inocentes

Na suspeita, os fatos vem antes das provas. Na suspeita o que vale é a presunção da culpa. Imagine o que a suspeita é capaz de fazer no campo do ciúme, da inveja, do orgulho, ou das acusações!

Conta-se que certo dia um lenhador perdeu o seu machado e passou a desconfiar que um jovem que morava nas redondezas o tinha roubado.

A partir daquele momento toda vez que olhava para o rapaz confirmava a suspeita do roubo. Pelo andar amalandrado, pelo olhar desviado, pelo sorriso zombeteiro, pelo seu jeito de ser, farseiro e ladrão.

Já não aguentava conviver com tantos fatos demonstrativos da autoria criminosa. Tinha alcançado um suposto juízo de certeza da culpa do moço.

Passados algum dias, o lenhador, cuidando de seu jardim, encontrou o seu machado, e se lembrou que o tinha deixado ali mesmo.

No outro dia, ao ver o menino, não percebeu nada de anormal. Era sempre o mesmo garoto, andar gracioso, olhar gentil, sorriso bonito, seu jeito era o de sempre, alegre e confiável, de família boa.

Aconteceu comigo também uma história parecida. Um eletricista foi até a minha casa para fazer alguns serviços, e neste mesmo dia eu tinha perdido a aliança de casamento. Dei uma busca geral, não encontrei, mas sabia que acharia.

Quando o eletricista foi embora começei a procurar com mais cuidado, procurei, procurei e comecei a me inquietar, porque a mulher cobrava com razão o uso da aliança. Então passei a desconfiar do eletricista. "Esse cabra achou meu meu anel e ficou pra ele".

No mesmo dia, à tarde, fui até o campo de futebol do meu bairro, e para minha surpresa vi o eletricista com meu anel no dedo, inclusive um pouco apertado. O jeito dele andar, a conversa desconfiada faziam aumentar minhas suspeitas. "Agora sei qual foi o momento em que ele achou o anel, por isso ele queria ir embora logo. Agora entendo porque ele fez o trabalho por um preço tão baixo."

Mas o que fazer? Não é da minha índole abordar ninguém para acusar dessa maneira, mas estava tomado pela revolta.Fui para casa indignado, já disposto a comprar outro anel para não ter confusão, nem falsas acusações ou constragimentos. Para mim ele era culpado e os fatos já tinham comprovado isso.

Resolvi no outro dia fazer as últimas buscas, e para minha supresa achei o anel dentro da fronha de um travesseiro. Que alívio meu Deus! Suspeitei de uma pessoa inocente! Que aprendizagem! Que lição! Que experiência!

E ontem, lendo a história do lenhador contada por Osho no livro Mente Tranquila lembrei-me o que ocorreu comigo, e que, com certeza, já ocorreu histórias semelhantes com muitas pessoas.

Muito cuidado, a suspeita já crucificou os braços de muitos inocentes. Não é o melhor caminho para a descoberta da verdade, não é o melhor caminho para a realização da justiça.

7 comentários:

allison disse...

ja aconteceu comigo nas duas situação
ja suspeitei de algo que não acoteceu e o rapaz era inocente e hoje ta acotecendo comigo aos versos tão suspeitando de algo que eu nunca fiz mais e assim mesmo e a vida.
Dr sanderson add ai allisonferreira19@hotmail.com

Anônimo disse...

Caro amigo Sanderson Moura,
Parabéns pelo blog tão bem elaborado e de conteúdo excelente. Venho aqui hoje, fazer-lhe uma pergunta: Porque as Leis atuais parecem ter sido feitas mais para beneficiar o criminoso do que para punir-lhes? Eu, como soldado da polícia militar sinto-me totalmente frustrado após prender um assassino em flagrante e depois, vê-lo solto, andando nas ruas, e ainda, ameaçando familiares da vítima. Algo precisa ser revisto urgentemente em nossas leis, concorda?
Desculpe-me postar a mensagem em local inadequado, mas não encontrei seu email.
Um grande abraço do amigo Hélio Ribeiro Neto.

Sanderson Silva de Moura disse...

Caro Hélio

Posso dizer que no geral nossas leis são boas, o que falata é a boa aplicação das leis.

De nada adianta as leis serem mudadas se continuarem sendo aplicadas de maneira errada.

Quando ao caso que você comenta, não posso opinar tendo em vista que não conheço o caso e nem as circunstâncias em que ele aconteceu. Procure as autoridades que cuidam do do processo e caso isso que você diada seja confirmado a pessoa estará sujeita a ser presa.

Abraços


Fico feliz com sua participação neste espaço.


Sanderson

FRANCISCO disse...

BOM DIA, NOBRE CONTERRÂNEO, É AS VEZES JULGAMOS AS PESSOAS PELA APARÊNCIA, SEU GEITO DE VESTIR, DE FALAR E ATÉ MESMO DE OLHAR PARA AS PESSOAS, COMO DIZ O DITADO: "AS APARÊNCIAS ENGANAM". NO MAIS, PARABÉN PELO SEU BLOG, DO CONTERRÂNEO, FLÁVIO SANTOS ( OU COMO DEVE LEMBRAR DE MIM: DOMINGO )

Sanderson Silva de Moura disse...

E ai Domingo, tudo bem meu amigo.

Grande goleiro foi Domingo, pelo menos na minha época, lá em Tarauacá.

Amigo de infância

Forte abraço amigo

Sanderson

Priscilla disse...

Realmente, é impressionante como pessoas inocentes são injustiçadas, eu acredito muito na justiça, embora ela falhe, depois do que ocorreu com minha mãe [ Mauriceia], da injustiça que ela sofreu, e que por sinal eu também participei, eu tirei por lição que quando eu for Advogada, juiza quem sabe, eu vou agir com honestidade, e não vou querer ta do lado da injustiça.
Sanderson, voce é uma das pessoas que eu me espelho, pela justiça que voce busca para realizar.
Que Deus continue te abençoando e te ilumindando ! ;*

Sanderson Silva de Moura disse...

Priscila,

Sua fé na justiça vai lhe levar a alcançar grandes objetivos.

"A justiça, como os deuses, só se manifesta para aqueles que nela creem". Calamandrei